Que ao estender meus braços, minhas mãos possam encontrar as tuas.
Sempre!
Eu queria poder dizer que nascemos um pro outro. Eu queria poder dizer que todos esses desencontros servirão pra gente sempre se encontrar no final das contas, no final das brigas, no final do dia. Mas, sabe, agora o sol se encondeu um pouco e no meio dessa neblina eu me perco dos teus olhos.

Eu vou regar você todo dia

Você plantou um carinho em meu peito, trouxe o sol pra aquecer e fazer germinar, fez chover sobre a terra seca. Quando dei por mim já havia criado raiz, já estava impregnado na pele, saindo pelos poros. Fez-se primavera dentro de mim.
Não importa quanto sol faça lá fora, os meus olhos insistem em chover.

Versinho de número dois